0a7431_0e30bdcdc35e41bc8fedb5b1efa13a75_mv2_edited.jpg

Planejamento e estratégia para Recuperação Judicial e Extrajudicial

Metodologia visando Ação judicial destinada a situação de crise temporárias econômico-financeiro da empresa devedora, evidenciada pela falta de liquidez.
A Recuperação Judicial ou Extrajudicial são mecanismos jurídico que visam reabilitar empresa devedora através de ampla reorganização de suas atividades e finanças, desde que comprovada a viabilidade econômica e financeira da atividade exercida pela devedora.


O sucesso depende muito de uma elaboração de plano prévio de estratégia visando minimizar vulnerabilidades

Recuperação Judicial ou Extrajudicial?

Imprescindível conhecer os instrumentos jurídicos e de mercado, que sejam mais adequados a sua decisão. É o que define o sucesso desta empreitada.

Com a nova lei existem benefícios na Recuperação Extrajudicial que devem ser considerados antes de uma decisão sobre a Recuperação Judicial.

Três observações:

·   Entrar com um pedido de RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL, pode ser suficiente 31% de votos favoráveis, existindo um prazo para complementar os votos majoritários.

·   EXTRAJUDICIAL não impede posteriormente de solicitar a RECUPERAÇÃO JUDICIAL.

·   Custos são vantajosos na EXTRAJUDICIAL e menor prazo conclusivo.

Portanto trata-se de conhecer a melhor estratégia financeira, comercial e de produção/compras para o bom andamento da atividade de sua empresa.

Mas muitas vezes até nem não será necessário nenhum desses instrumentos quando avaliamos que ainda existem estratégias viáveis possíveis e menos onerosas.

Por isso é fundamental, antes de qualquer definição, deter um preparo prévio com um desenho estratégico afim de minimizar vulnerabilidades.  

O devedor deverá instruir via petição inicial, dentre outros documentos, com o plano de recuperação, que contemplará, além de diagnóstico da situação econômico-financeiro uma demonstração da viabilidade da atividade por ele exercida.

O devedor tem que ter atividade empresarial há mais de dois anos, não ser falido e não deter nenhum processo de recuperação judicial há menos de 5 anos.